“Eu mãe: mulheres, empreendedoras”: Não desista!

“Eu mãe: mulheres, empreendedoras”: Não desista!

Na série “Eu mãe: mulheres, empreendedoras”, a entrevistada desta semana é Gabriela Zacariotto Silva. Graduada em jornalismo, ela decidiu que era hora de mudar os rumos de sua carreira profissional após se tornar mãe da Bela. Com isso, no início deste ano, deixou seu emprego e abriu – juntamente com alguns amigos – o Jornal Grande Jogada Além disso, há cerca de um mês, assumiu juntamente com a  Nathália Zampieri o “Rede Materna”.

 

foto gabiRede Materna: Por que decidiu começar com o seu negócio próprio? Teve relação com a maternidade?

Gabriela: Já antes de a Bela nascer, sabia que não gostaria de continuar no meu trabalho como jornalista após a sua chegada. Isso porque, trabalhava em período integral e –muitas vezes – também a noite e aos finais de semana, o que me privaria muito da convivência com a minha filha. Assim, comecei a pensar em alternativas. Apesar disso, voltei ao trabalho após o fim da licença-maternidade enquanto decidia o que faria. Foi então que alguns amigos que convidaram a participar do projeto do Jornal Grande Jogada. Me pareceu a oportunidade perfeita! A chance de trabalhar em casa, com horários flexíveis e aceitei o convite. Mais recentemente, a Nathália me disse que havia sido convidada a assumir o Rede materna e decidi abraçar o projeto .

Rede Materna: Para você, quais são os maiores desafios ao se tornar uma empreendedora?

Gabriela: Como o Jornal ainda está em seu começo, estamos buscando fazer com que ele ganhe espaço e cresça. Por enquanto, as maiores dificuldades acontece no que diz respeito a estabilidade financeira e gestão, que não é uma tarefa fácil. No Rede Materna, estamos, aos poucos, planejando e implantando mudanças, o que exige muita dedicação e planejamento.

Rede Materna: Você trabalha em casa? Quais são as suas maiores dificuldades em conciliar o trabalho com a maternidade?

Gabriela: Hoje eu trabalho em casa. É ótimo ter essa oportunidade e poder ficar mais próxima da Bela. As maiores dificuldades acontecem na hora de organizar a rotina, separar um horário para trabalhar conseguindo organizar a situação com as necessidades dela.

Rede Materna: Se tornar uma mãe empreendedora, para você, valeu a pena?

Gabriela: Valeu muito à pena! Ter a oportunidade de acompanhar de perto cada descoberta e o crescimento da minha filha, certamente, compensa as dificuldades. Se continuasse em um emprego de período integral, acredito que teria perdido muitos destes momentos únicos.

Rede Materna: Que conselho você daria para as mães que pretendem começar a empreender ou estão iniciando seus projetos próprios?

Gabriela: Não desista! Encontre algo que você goste de fazer, tenha muita paciência, e acredite no seu potencial. Não vai ser fácil, mas será compensador.

agosto 29, 2016/ por / em

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vem com a gente
Facebook Vem com a gente Vem com a gente